Todos os posts de Thais Tupper

Carioca, publicitária, empresária, blogueira de viagens, amiga da natureza e entusiasta pela fotografia. Comecei o amor pelas viagens em 2010 e agora vivo um eterno comichão. Não consigo terminar uma viagem sem planejar a próxima ou pelo menos colocar na listinha os próximos lugares pra visitar. Conto minhas aventuras com detalhes que vão desde enfrentar o medo da altitude e voar de balão em Napa Valley, até dormir abraçada com as malas no chão de uma rodoviária do interior da Argentina e narrar um furto dentro de um ônibus em La Paz.

11 Mitos e verdades sobre a Cidadania Italiana

Se você está ou esteve em busca da sua cidadania italiana por muito tempo já deve ter ouvido um monte de histórias assustadoras (ou animadoras) sobre esse assunto.

A ideia desse post é desmitificar alguns desses assuntos pra todo mundo. E quem sabe um dia as pessoas não param de inventar, né?

1 – Se você casar com um italiano (a) deixa de ser brasileiro (a).

FALSO. Ninguém vai te obrigar a deixar de ser brasileiro. O que acontece é que vários países que não têm acordo com o Brasil (como os EUA, por exemplo) obrigam que você abra mão da sua cidadania de origem se quiser se tornar cidadão do novo país. Por isso muita gente acha que o mesmo acontece entre Brasil e Itália. Isso não é verdade. Não é visto com bons olhos ter duas cidadanias, mas obrigar você a renegar, ninguém vai, ok? Lembrando aqui da regra para matrimônio. Só naturaliza depois de 3 anos de casados (morando no Brasil) ou um ano de casados (morando na Itália). Com filhos o tempo cai pela metade.

2- Todo e qualquer erro de digitação nas minhas certidões precisa de retificação.

FALSO. Calma…muita calma. Custa caro e toma um tempo extra pra retificar certidões. Fora o aborrecimento. Antes de se empolgar, consulte o Consulado. Só é realmente obrigatório (na maioria dos casos) quando fica em dúvida a linhagem. Ou seja, quando se trata de nomes e sobrenomes muito comuns, datas divergentes. Aí sim você precisa retificar.

Nossos antenatos chegaram aqui de navio e com certidões escritas à mão. Se vocês forem ver, é quase impossível entender o que está escrito. Por isso, em muitos casos, vários nomes foram abrasileirados ou tiveram pequenas modificações. Giuseppes viraram Josés. E por aí vai. Isso não é considerado um enorme problema.

Aqui estou eu pra provar que o meu sobrenome não é o mesmo da família e não retifiquei. Ninguém me exigiu isso em momento algum. Ficam fora daqui os casos das pessoas que querem incluir nomes que ficaram fora de certidões ou fazem questão de resgatar a história da família e manter o nome conforme o original.

3- Ah, beleza! Agora eu sou italiano. É só chegar na Europa e vai ser moleza de arrumar um emprego.

FALSO (mas depende). Conseguir um emprego na Europa não depende só do fator nacionalidade. Muitos outros fatores são importantes pra alavancar. Estudo internacional, habilidade com outros idiomas, experiência profissional em boas empresas podem ajudar. Ser cidadão europeu facilita na parte burocrática da contratação. De resto, na maioria dos lugares, você continua sendo um imigrante. Jamais esqueça disso e chegue com humildade.

4- Sou italiano e não falo italiano. Isso deve ser muito grave.

VERDADEIRO. É visto com muito maus olhos você ser cidadão de um país e não falar a língua desse país. Já li sobre esse assunto em vários lugares e já tive um exemplo disso na fila do consulado. Ouvi uma conversa de uma menina com dois italianos (nativos) em inglês. E a pergunta foi:

– Ué, mas você é italiana, seu pai nasceu na Itália, é diplomata e você fala tão bem inglês?

Não preciso dizer que a menina ficou bem sem graça, né? É certo que os motivos que fazem os brasileiros aprenderem inglês antes de aprenderem italiano estão ligados ao mercado de trabalho (e ao fato de inglês ser uma língua global), mas indo pra Europa é uma ótima ideia começar a aprender. Afinal de contas…se você já fala português e inglês e está aprendendo uma terceira língua, quem são eles para questionar, né? O errado é achar que o que a gente tem já basta. Humildade, sempre.

5- A cidadania italiana tem limite de gerações para transmissão.

FALSO. Esse é um dos mitos mais comuns de se ouvir. Muitas cidadanias só são transmitidas até avós e por isso as pessoas que não sabem muito sobre o processo tendem a dizer que tem limite. Não é verdade, mas é claro que quanto mais longe, mais difícil e mais caro vai ficar seu processo.

6- Preciso reconhecer a cidadania do meu pai antes de reconhecer a minha.

FALSO. Aqui estou eu! Sou bisneta de italianos (provando que o mito 5 é mito mesmo e o 6 também) e fui eu que abri a pasta no Consulado. Mais ninguém na minha linhagem até agora teve a cidadania reconhecida e não tive problema algum com isso.

O que acontece normalmente é que alguém vai ser o primeiro.  Esse gasta mais dinheiro e tem mais documentos para apresentar. Os outros só aproveitam. Mas, vamos para o mito 7.

7- Meu primo tem pasta no Consulado (brasileiro) e eu vou usar a pasta dele.

VERDADEIRO. Funciona assim: alguém da família leva todos os documentos e abre a pasta.

Organizando direitinho dá pra dividir os custos e não fica pesado pra ninguém. Só que todas as famílias são iguais e só muda o endereço, né? A tendência é que alguém abra a pasta, pague sozinho e o próximo só complemente com os próprios documentos.

8- Meus documentos vão ficar no Consulado e qualquer pessoa da minha família vai poder usar.

VERDADEIRO. Sim, sim e sim. Sua pasta tem um número. Ela junta a linhagem da sua família inteira (inclusive quando tem pequenas divergências nos sobrenomes) e qualquer um que esteja interessado vai chegar lá e pedir pra ver a pasta e ter acesso. Justo, não é. Mas é assim que funciona.

9- Mulheres na linha de transmissão fazem você perder o direito à cidadania.

VERDADEIRO (em partes). Ter uma mulher na linhagem pode atrasar o seu processo. E aí você precisa ficar super atento às datas. Se o filho dessa mulher tiver nascido antes de 1948 você vai precisar contratar um advogado para entrar com processo por via judicial e garantir a sua cidadania. Vai custar mais e vai demorar mais, mas você ainda assim tem direito. Se o filho for nascido a partir de 1948, tudo normal por via administrativa tanto pelo Brasil quanto pela Itália.

10- Eu não tenho sobrenome do antenato italiano. Perdi o direito a cidadania.

FALSO. A cidadania é transmitida por laço sanguíneo (jure sanguinis) e não pelo sobrenome. Ter o sobrenome é um capricho, porém não obrigatório.

11- Me disseram que é impossível reconhecer cidadania pelo Brasil.

FALSO. Super falso. Não é impossível e não demora 20 anos. Meu processo inteiro demorou 2 anos e meio em uma época que estava super demorado o Consulado do Rio de Janeiro. As filas já estão bem menores. Hoje o maior problema é agendar (e ter a documentação de acordo com o que é pedido, claro). Conseguindo agendar, em 1 ano e meio o passaporte já está em mãos. Alguns Consulados são mais demorados (São Paulo, por exemplo)…mas não é impossível. Tudo depende da sua urgência e disponibilidade financeira.

Acho que consegui reunir aqui as maiores dúvidas sobre a Cidadania Italiana. Espero ter conseguido esclarecer muitas das angústias de vocês. Qualquer outra dúvida é só enviar um comentário.

Anúncios

11 Apps incríveis para edição de fotos e vídeos

Às vezes mais importante que uma super viagem é ter uma boa câmera na mão pra poder registrar os melhores momentos e compartilhar nas redes sociais.

Pensando nisso fiz uma lista com os melhores aplicativos pra edição de vídeo, foto, stories e tudo que tem de mais incrível nesse mercado.

Eu ainda amo minha fiel escudeira e não largo por nada, mas o celular já tá poupando bagagem – e coluna – de muita gente.

7
Minha senil câmera, prestes a se tornar um item vintage.

1- HYPE TYPE

Esse app sobrepõe textos de um jeito cool usando fontes descoladas e animações bacanas. Você pode unir vários vídeos, várias fotos ou mesclar vídeos e fotos. É meio limitado, mas pra mexer da tela de um celular funciona super bem.

2- FOODIE

IMG_6051
Foto-jabá do @theburgerexperience feita no Foodie

Se você é daqueles que não perde a chance de fotografar um belo prato de comida fica a dica de um ótimo app. O Foodie tem filtros específicos para comida separados por ocasião (BBQ, Sweet, Fresh…) e você vai encontrar um que deixe o seu prato com aquela carinha maravilhosa de prato de mãe. É muito triste uma foto de comida esverdeada, gente! Comida é amor…amor é quente. Quente é vermelho, laranja, amarelado, terroso. Os outros tons são muito frios e raramente combinam com comidas.

3- VUE

Editor de vídeo que você consegue unir vários clipes, cortar, adicionar filtros e tudo mais. Qualidade super boa e vale muito a pena ter esse app!

4- IMOVIE

Editor de vídeo da apple. Funciona bem tanto para iPhone quanto para versão Mac, mas para versão mobile é bem mais limitado. Quem já está acostumado com a versão para Mac se adapta super bem.

5- FADE IT

Image-1(1)
Filtros do Fade It.

App super bacana com filtros diferentões para fotos. Está super fora do convencional e chega a ter versões mais psicodélicas. Vale a pena pra usos esporádicos e pra não cair na mesmice.

6- UNFOLD

Anota aí! Esse editor é super maravilhoso pra você que quer fazer uma montagem bacaninha pros stories, colocar um fundo com textura, um texto com uma fonte nova e ter vários templates gratuitos disponíveis. Outros templates bem bacanas pagos também estão disponíveis. Esse é must have total.

7- PLOTAVERSE

Um dos apps favoritos do Raul Aragão. Dá uma animada nas fotos a partir de pontos de ancoragem. Dá pra chamar assim, gente? Acho que sim, né? Faz saia voar, água mexer, cabelo sacudir…tudo na maior naturalidade. Clica aqui pra ver como fica. Ou dá um pulo no meu insta aqui e vê como ficou.

8- CANVA

Image-1
Tela inicial do Canva com templates grátis.

Editor bacana pra quem gosta de colocar textos sobre imagens, usar templates e fazer outras edições simples. Funciona de forma simples e tem versão na web também, em versão de demonstração. Versão web aqui.

9- GRAAVA

Esse app é maravilhoso e prático. Você sobe os vídeos e escolhe uma música. Ele cuida do resto. Faz a edição e ajusta as viradas do vídeo de acordo com a batida da música. Você faz alguns pequenos ajustes, mas boa parte fica por conta do app.

10- LIVELY

Sabe aquelas Live Photos que você não sabia como ia compartilhar com quem não tem iPhone ou está com uma versão mais antiga? Pronto! Resolvido o problema. Esse app converte pra GIF e cria um arquivo tipo um Boomerang. É sensacional!

11- QUIK

Editor de vídeos da GoPro, bem descolado, com inserção de textos, transições, música e tudo mais que um bom editor tem direito. Processamento rápido e bem mais fácil de usar que todos os outros indicados acima. O app só é um pouco mais pesado que os outros, mas vale ter disponível pra editar aqueles vídeos lindos que a sua GoPro faz (e o seu celular também.)

Tem mais algum app de foto e vídeo pra indicar? Comenta!

Não deixe de conferir meu post com apps para viagem. Tá incrível demais!